A Criação – Episódio 1 – Nelson Magrini

Olá caros amigos insones,

Durante um bom tempo cultivei uma ideia para trabalhar aqui no Universo Insônia, uma ideia que objetivava mostrar os bastidores da mente criativa de autores, roteiristas, quadrinistas, fanzineiros e outros criativos da cultura fantástica. A ideia surgiu durante uma oficina de criação de personagens, ministrada pelo autor André Vianco, em uma das edições passadas do Fantasticon – Simpósio de Literatura Fantástica.

Pois bem, a ideia tomou forma, ganhou adeptos e está aqui. Com vocês, a nova série do Universo Insônia, A Criação.

… … …

EPISÓDIO 1 – NELSON MAGRINI

Olá pessoal do Universo Insônia. Antes de tudo, agradeço ao Tiago Castro pela oportunidade de estar aqui, desta feita para falar sobre meu processo criativo.

Praticamente, como ocorre com qualquer autor, sou questionado sobre o assunto nas mais variadas entrevistas, e sempre é um pouco difícil explicar como funciona ou se dá meu processo criativo, exatamente por não possuir nenhum método ou técnica em particular para estimular a criatividade. Ainda assim, ela possui algumas características marcantes.

Primeiramente, minhas inspirações me vêm a qualquer momento, em qualquer lugar, normalmente a partir de um insight, sempre associado a uma cena ou conjunto / sequência de imagens em minha mente. Minha criatividade trabalha muito forte com a componente visual, e tal característica se reflete em minha escrita.

De modo geral, eu primeiro vejo a cena e somente depois me dou conta de seus muitos elementos. Quando isso acontece, costumo tomar algumas notas, rabiscar alguma coisa, se já se apresenta desenvolvido em minha mente, ou até mesmo escrever um prólogo. Em seguida, tudo é arquivado em uma pasta de projetos para desenvolvimento futuro, seja sob a forma de um livro, aproveitamento das idéias em um
outro projeto, já iniciado ou não, e por vezes em contos.

A segunda característica notadamente marcada é que nenhuma idéia, mesmo as linhas gerais de uma trama, me vem à mente de modo completo, ou seja, para desenvolver a história, necessito iniciar a obra mesmo sem ter todos os detalhes definidos. Aliás, a verdade é que muitos desses detalhes só aparecerão se eu sentar e me propuser a escrever. Nesse sentido, minha criatividade funciona de modo muito interativo, a inspiração se dando conforme a trama vai crescendo e vice-versa.

Por fim, não costumo usar roteiros previamente desenvolvidos, e mesmo quando fiz tal experiência, em Os Guardiões do Tempo, o enredo acabou por se desviar das guias previamente definidas, tomando seu caminho próprio. Alguns leitores já me disseram que meu processo criativo é assustador, como se ele tivesse vontade própria.

Bem… se você começar a pensar por esse lado, he he, deve parecer bem assustador, mesmo! Essas características sempre estiveram presentes em meu processo criativo e não foram fruto de algo consciente ou pensado. Em outras palavras, é assim que funciono como escritor, muito embora haja, de livro a livro, uma variação na intensidade com que se manifestam.

Em ANJO A Face do Mal, eu possuía uma visão bem mais abrangente do que eu queria e, embora não enxergasse a história toda, pouco depois de ter começado a escrever, eu já tinha o final pronto, redigido e guardado. Sabia como começava e aonde iria levar, com algumas idéias de partes do meio da história, mas em muitos pontos, não fazia idéia de como uma coisa se conectaria com outra. Foi necessário escrever e literalmente ver como a trama caminhava.

Já as coisas foram bem diferentes com aquele que é considerado meu livro mais assustador, Relâmpagos de Sangue. Tudo começou quando conversava com minha sobrinha, e estava chovendo forte. Ela me contava sobre um sonho, onde havia sangue, e nessa hora, imagino que associei o relato à chuva, e o nome do livro me veio à mente. Aproveitei a ideia e escrevi um prólogo. Após uns quinze minutos, escrevi um novo prólogo, com outro personagem, e arquivei. Meses depois, quando resolvi desenvolver o livro, reli os prólogos no intuito de escolher um e acabei unindo os dois e decidindo trabalhar com ambos os personagens centrais ao invés de um. E foi assim que comecei a escrever, tendo em mãos um prólogo bombástico, um título de efeito e um mistério por detrás da trama que nem eu sabia qual era! Só depois de iniciado o livro, com o desenvolvimento das situações, ele me foi ficando claro. Quando percebi qual seria esse mistério, a trama ficou perfeita. Essa é uma sensação curiosa, complicada de explicitá-la, mas que qualquer autor sabe o que significa.

Em relação a meus personagens, a coisa costuma ser bem mais clara. Nunca tive dificuldades de criar qualquer um deles, bastando imaginar o que eu quero e eles meio que aparecem de pronto em minha mente. Mesmo Lúcifer, de ANJO A Face do Mal, que é extremamente complexo, eu já sabia como o queria por inteiro, antes de começar a escrever. É difícil dizer que ele tenha sido construído, talvez um detalhe, peculiaridade ou outra, mas no geral, quando o idealizei, ele já estava pronto e completo. Talvez, o personagem que tenha me dado mais trabalho, no sentido de tê-lo edificado passo a passo, tenha sido o assassino serial que atua em CEIFADORES – Anjo a face do mal II, exatamente por não ser um personagem sobrenatural. Quando me propus a escrever a sequência, minha ideia era levar ao público uma obra mais sombria que o primeiro livro, o que me induziu a incluir na trama certos desvios de personalidades de pessoas do mundo real, em outras palavras, um “mal humano”. Nesse sentido, foi necessário elaborar um perfil psicológico e experiências de vida que levassem o personagem a se tornar aquilo em que se tornou e, ao mesmo tempo, resultasse em algo convincente, plausível. E como já disse em uma entrevista, possivelmente, o mais assustador em tal personagem é que ele é totalmente verossímil e, de modo ou outro, já existiram contrapartidas similares reais ao longo da História.

Bom, creio que seja isso. Espero que os leitores e seguidores do Universo Insônia apreciem a postagem.

Aqueles que quiserem fazer contato, basta escrever a nelson_magrini@yahoo.com.br. Será um prazer.

Mais uma vez, agradeço ao Tiago Castro pela oportunidade.

Abraço a todos!

… … …

Sobre o autor

Nelson Magrini é Engenheiro Mecânico, estudioso e pesquisador em Física, com ênfase em Mecânica Quântica e Cosmologia, professor e consultor de Gestão Empresarial e Cadeira Logística, exercendo carreira profissional no Brasil e no Mercosul. Participou como Agente Cultural e de Cidadania, com a elaboração dos projetos Novos Autores Literários e Mobilidade Automotiva para Deficientes Físicos, e atualmente também atua como Agente Literário, prestando serviços de Revisão Ortográfica e Gramatical, Preparação de Texto (Copy Desk), Leitura Crítica e outros, a novos escritores e público em geral. Leitor voraz desde cedo, passou a escrever a partir do ano 2000, apresentando um estilo centrado em mistério, suspense e terror, tendo publicado até o momento seis obras.

ANJO A FACE DO MAL – editora Novo Século (1ª ed. 2004; 2ª ed. 2010): uma obra onde o personagem principal é o polêmico Lúcifer, cujas finalidades somente o próprio conhece, e sua inteligência, retórica e perspicácia o tornam o mais terrível dos adversários. O ponto central é a repetição do evento que deu origem à criação, trazendo uma nova gênese. Os Anjos, mandatários do Céu, farão tudo para impedir tal ocorrência, pois a veem como as Trevas Eternas, o inimigo maior, ainda pior que seus opostos, os próprios Demônios. Estes, por sua vez, se mostram dispostos a qualquer coisa para que tudo se concretize, ávidos pelos segredos escondidos da criação. Nesse meio tempo, em nosso planeta, algo misterioso caça e aniquila Anjos, Homens e Demônios, guiado apenas por seu propósito sombrio, uma entidade que só poderia ser descrita como a própria entropia encarnada. A balança do equilíbrio ameaça pender, e é chegada a hora de Lúcifer intervir. O futuro de tudo o que existe se acha em suas mãos. Se falhar, restará apenas desolada e fria destruição.

CEIFADORES – Anjo a face do mal II – Novo Século Editora (2012): a sequência mostra os acontecimentos seis meses depois da trama do livro anterior, iniciando com a questão sobre o que aconteceria se na Terra houvesse uma segunda espécie dominante, sem um ancestral comum entre os homens, mas indistinguível dos seres humanos e, exatamente por isso, livre do pecado original? Seriam deuses ou amaldiçoados? O resgatado personagem Lucas, agora como central, encontra-se na difícil tarefa de descobrir a amplitude de sua nova condição e suas consequências. Contudo, a aparente quietude irá se fragmentar quando uma jovem cruzar seu caminho, uma vítima do inimaginável, determinada a ter a vida ceifada brutalmente, missão atribuída a anjos extremamente mortais. Para contrapor a balança, uma sensual Succubus, de beleza inigualável e desconcertante, desce a Terra com seus próprios planos traçados. Em paralelo, um novo e desafiador elemento surge no caótico cotidiano da cidade, um assassino serial que enxerga e interpreta sua distorcida visão de mundo como uma missão divina, onde o sagrado se amalgama ao mais abjeto dos profanos. Nesse jogo de vida ou morte, o obstinado policial Rafael reaparece, e terá de superar as cicatrizes traumáticas dos eventos anteriores. Lealdades serão colocadas à prova; julgamentos, autoridades e devoções questionados e, uma vez mais, os conceitos de Bem e Mal oscilarão de modo imprevisto e perigoso. Nunca antes, verdades absolutas se mostrarão tão relativas.

RELÂMPAGOS DE SANGUE – Novo Século Editora (2006): uma obra que extrapola ao extremo as sensações de mistério, suspense e medo, e que leva os leitores a vivenciarem todas as paixões, sentimentos e angústias dos personagens, em uma interatividade sufocante. Venha conhecer, Sara e Josimar (Jôs), que passaram a ter estranhas visões envolvendo sangue, a cor vermelha e tempestades, além de lapsos de memória. Centrada na fictícia cidade de Germinade, interior de Minas Gerais, fatos estranhos vão ganhando proporções inimagináveis, aonde o mistério por detrás de tudo vai se revelando aos poucos, até um desfecho inesperado.

OS GUARDIÕES DO TEMPO – Giz Editorial (2009): diferente dos trabalhos anteriores, este é uma fantasia de ficção voltada para todas as idades, com muita aventura e boas doses de humor, sem perder os tradicionais elementos de mistério, suspense e, neste caso, uma pitada de terror. Duda, sua irmã Ciça, e Rogério embarcam em uma ventura através do Tempo e do Espaço, viajando a mais de 1.600 anos no futuro. Tendo os lugares mais exóticos da Via Láctea como fundo, os garotos têm de encontrar uma máquina singular, escondida por seu inventor, através de pistas espalhadas pela galáxia. Resolver tal enigma é a única esperança para salvar a Terra e todo o seu Império Galáctico.

AMOR VAMPIRO – coletânea – Giz Editorial (2008 – 2ª ed. 2010): o título da  coletânea dá o tema aos contos. Em Isabella, um humano se apaixona por uma vampira, mas antes de lhe conquistar o amor, deve primeiro lhe resgatar a humanidade. Mais que uma história de vampiro, Isabella é uma ode ao amor e à esperança, e tanto as palavras, como a composição das frases, completam o clima onírico do texto. Uma fantasia que mexe com as aflições do coração, desejo e amor, e acima de tudo com perseverança e esperança, onde a sensualidade crescente explode no clímax e desfecho da trama.

ANJOS REBELDES – coletânea (2011) – Universo Editorial (2011): Em Nome da Fé traz um anjo de uma espécie muito particular que se perde em suas obrigações, originando um problema gigantesco. Um anjo guerreiro é enviado para resgatá-lo, mas terá pela frente a presença de uma poderosa e extremamente sensual Succubus, a mesma personagem que reaparece em CEIFADORES.

Para mais informações: http://nmagrini.blogspot.com.br/

Contato: nelson_magrini@yahoo.com.br.

… … …

É isso aí insones, toda semana um novo episódio da série A Criação, não deixem de conferir. E fiquem atentos, pois episódios especiais ou curtos podem surgir!

… … …

http://a1.twimg.com/profile_images/437119069/foto_tiago_reasonably_small.jpg Tiago Castro é publicitário, roteirista, jurado e co-organizador do Concurso Hydra, agitador cultural, aspirante a escritor de literatura fantástica, além de estrategista de comunicação dos eventos Fantasticon e Sarau Fantástico.

Publicitário, estrategista de conteúdo, organizador do Concurso Hydra de Literatura Fantástica Brasileira e coorganizador dos eventos Fantasticon e Sarau Fantástico.

Twitter LinkedIn Google+ 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...