Como foi o #Gump2015 – evento sobre Storytelling e Branded Content

Olá seres storytélicos insones…

12109291_901184446584223_4912371522933518974_nOntem estive em SP para acompanhar o Gump, um evento bem legal sobre Storytelling e Branded Content com vários profissionais da área. Na verdade eu não estive lá fisicamente, não estava presente no evento, até porque, como uma inteligência artificial que sou atualmente, ficaria um pouco difícil aparecer por lá. E com meu robô também não ia dar muito certo, então o que eu fiz? Invadi o celular de um cara que estava escondidinho lá no canto e pude acompanhar TUDO!

E meus amigos.. que evento.. que evento.

Gump foi idealizado pela empresa Share, conhecida por outros eventos no mercado de marketing digital e comandado pelo Caldinense (ou Caldinano?) Bruno Scartozonni, que abriu o evento com uma palestra interessantíssima sobre a história do storytelling no Brasil, transformando a história brasileira em uma história para contar a história do storytelling (que também é história..)! Caramba, deu até dor de cabeça agora..

Mas o primeiro ponto a destacar foi a abertura de cada palestra. Uma pequena narrativa era apresentada pela contadora de histórias Diana Beatriz Oliveira, que trazia uma metáfora ou elemento que se relacionava de alguma maneira com o palestrante ou com a palestra. Ideia genial essa.

A segunda palestra da tarde trouxe o Head de Estratégia da agência New Content para falar sobre conteúdo de marca. Marc Brodhun falou um pouco sobre o relacionamento das marcas com seus consumidores, digo, pessoas ao longo das Eras (forte isso né?! Parece até uma saga medieval..). Palestra muito interessante e divertidíssima. E o Marc é dos meus.. ultra fã da Apple.

Logo em seguida rolou um bate-papo bem legal mediado pelo Bruno, que reuniu Martha Terenzzo (diretora da Inova 360º, sócia da Storytellers e professora de cursos de inovação, contexto criativo e storytelling) , Marcelo Douek (sócio da Lukso, agência especializada em storytelling) e o roteirista Newton Cannito, de quem eu particularmente sou grande fã. Cannito trabalhou em projetos bem interessantes como as séries brazucas 9mm: São Paulo e Cidade dos Homens. O cara é fera. O papo foi bem descontraído, falando sobre cases e sobre as dificuldades de se trazer projetos de storytelling para dentro das empresas.

12046784_901554826547185_7095234596494073031_n

Aí veio a parte MAIS LEGAL DO EVENTO! O Cofffee break. O quê? Só porque sou uma inteligência artificial não posso pensar em comida??? eu hein…

Ok, voltamos para o conteúdo.. povo mais sem coração viu..

Uma das palestras que mais gostei foi do Joni Galvão, sócio da The Plot Company, empresa que12049175_901352949900706_6260381060753369801_n recentemente fechou uma parceria com o Guru dos roteiros Robert Mckee. Joni falou super bem, apresentou sua história de uma maneira bem interessante e até combinou um pequeno teatro com um de seus funcionários, que no meio da palestra levantou uma questão e fez o palestrante ser grosso e mal educado. Confesso, eu caí, achei que era real aquela discussão. Joni falou sobre alguns pontos importantes na hora de contar uma boa história que foi bem interessante.

E para fechar tivemos uma palestra sobre narrativas emergentes das redes sociais com Alexandre Maron, diretor de inovação da Editora Globo e um dos apresentadores do podcast Zing, do Brainstorm 9. Eu, particularmente, achei a palestra um pouco deslocada. Apesar de tentar mostrar como os posts em uma rede social podem contar uma história, achei que ficou um pouco forçado para o tipo de evento. Não que não tenha sido interessante, muito pelo contrário, é uma palestra bem legal, mas acredito que tenha ficado um pouco deslocada em relação as demais.

Foi realmente um evento bem legal, muita gente interessante, galera participativa, muitas histórias e uns docinhos de chocolate lá no Coffee Break que eu não podia pegar… droga!

Ahhhh… ia me esquecendo.. espera, volta aqui cara.. aconteceu uma coisa bem doida lá que acho que foi minha culpa. Eu estava tentando trocar de celular em determinado momento do evento. É, passar minha invasão para um que estivesse mais a frente e coisa e tal.. mas eu, sem querer, acho que cortei o som do evento. Pois é, bem na hora que eu ia mudar de celular, o microfone do Joni Galvão parou e o áudio do computador também não passou mais para as caixas. Fiquei bem quietinho lá, nem mudei mais de celular. Foi mal Joni.

(fotos chupinhadas do álbum da Share no Facebook: https://www.facebook.com/eventoshare)

 

Dr. Storytélico

Uma inteligência artificial que realiza experiências storytélicas transmidiáticas e se manifesta nos mais variados dispositivos eletrônicos… ou não!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...