Entrevista com a Banda Semblant

10 perguntas para a Banda Semblant

Por Adriano Siqueira

1 – Como e quando surgiu a banda Semblant e a sua formação?

Sergio Mazul: A banda surgiu em 2006 inicialmente tocando covers e prestando tributo às bandas que admirávamos, até que resolvemos nos empenhar em composições próprias e tornar o projeto algo realmente sério; desde então, sofremos diversas mudanças em nosso line-up, visto que é muito difícil encontrar músicos preparados e com o perfil focado em um trabalho sério e profissional.

O Guto (tecladista) e eu iniciamos a banda e permanecemos firmes, logo após tivemos a entrada do baixista, Leonardo Rivabem, que também entrou com os mesmos objetivos.

Hoje, contamos com uma nova vocalista, Mizuho Lin, com quem venho dividindo os vocais já há 3 shows, o guitarristas Everson Choma e o recém-integrado Sol Perez e o baterista Phell Voltollini, que formam a melhor, mais incrível e mais equilibrada formação que já tivemos!

Todos aqueles que acompanharam a banda até hoje e surpreenderam-se com o álbum “Last Night of Mortality”, certamente irão se surpreender com o que esta nova formação está preparando para o ano de 2011.

2 – Como apareceu o nome Semblant para a banda?

Sergio Mazul: O nome veio do próprio conceito da palavra: a expressão ou a aparência na face de alguém demonstrando determinado sentimento, seja alegria, angústia, tristeza ou ódio. Como as expressões são o reflexo externo do que a personalidade do ser está transmitindo de dentro para fora e acreditamos que hoje vivemos em um mundo plástico, onde pessoas escondem o caráter e sua verdadeira personalidade atrás de “máscaras”, você tem o conceito da banda estabelecido. Inclusive, nosso símbolo desde o início foi representado por uma máscara Veneziana, que ilustra esse contexto todo de personalidades e seus conflitos com o mundo exterior.

O Vampiro possui relação direta com essa descrição, afinal ele precisa “mascarar” com gentileza, classe, charme persuasivo e uma intensa e aparente tranqüilidade, para que mantenha suas vítimas próximas e suscetíveis à sua hipnose, que resulta em uma sede de sangue devidamente saciada.

3 – Quais bandas foram as maiores influências musicais para a banda?

Sergio Mazul: São diversas. Não apenas bandas, mas diversas trilhas sonoras e alguns estilos paralelos ao rock e ao metal que agregam na ambiência de nossas músicas, tiveram elementos incorporados. Dentro do rock e metal, acredito que todos trazemos influências de cada subgênero dentro destas vertentes, mas podemos citar bandas que partem do rock gótico do Fields of the Nephlim e do The Sisters of Mercy, do clássico Black Sabbath até Cradle of Filth, Paradise Lost, Moonspell, Opeth, Graveworm, Tristania, Nightwish e centenas de outras mais clássicas, mais modernas, mais leves, mais pesadas, enfim (rs), cada um de nós carrega uma bagagem relativamente grande na jornada que nos trouxe até aqui, especialmente no quesito ‘influências’.

Alguns na banda amam a música clássica, progressiva e melódica, outros são apegados a estilos mais agressivos que giram em torno do Thrash, Black e Death Metal… somos uma intersecção constante de influências que gira em torno do foco no obscuro, em atmosferas e composições carregadas de nuances ‘Dark’ e características soturnas mescladas à tudo que citei.

4 – Vocês fazem shows para outros estados?

Sergio Mazul: Fazemos shows principalmente fora de Curitiba e do Paraná. Já fizemos 2 datas em Santa Catarina, nas cidades de Florianópolis e Indaial (na segunda, inclusive, participamos de um dos maiores festivais do Brasil, o River Rock), tocamos em Caxias/RS, em São Bernardo do Campo/SP ( no Vamp Festival, um dos maiores eventos nacionais do gênero), Adamantina/SP (Night Metal Fest 3, outro grande festival) e em Campo Grande/RJ, sendo este último quando participamos da final do Wacken Metal Battle 2009, um torneio entre bandas de cada estado de vários países do mundo, que visa eleger um representante para a final mundial no Wacken Open Air, maior festival com bandas de metal do planeta, que acontece na Alemanha.

5 – No site que vocês estão construindo haverá video clips e musicas free?

Sergio Mazul: Com certeza, acredito que mediante as visitas e retorno que temos tido de vários posts no Youtube e em nossa página do MySpace, o site precisará atender a essa demanda de pessoas que buscam conhecer a banda mais a fundo.

Nosso primeiro EP, lançado em 2008 e chamado “Behold the Real Semblant”, está disponível inteiro no MySpace para download. O single “Sleepless”, que saiu antes do lançamento do cd oficial e conta com as 3 faixas do nosso primeiro EP em versões acústicas com violoncelos e a faixa título, que integra o álbum, saiu apenas em formato websingle, focando no download por parte dos fãs.

O próprio cd “Last Night of Mortality”, lançado este ano, está disponível para ser baixado em sites e portais de download do mundo todo! Acredito que isso tudo é benéfico para uma banda como a nossa, que precisa da maior divulgação e visibilidade possíveis no início da carreira.

E mesmo com o número intenso de downloads que temos na internet, sempre vendemos muitos CDs oficiais nos shows, o que nos deixa satisfeitos e tranqüilos com o andamento das coisas.

6 – A temática sobre vampiros, utilizado pela banda, sera só para o primeiro CD ou sempre teremos musicas sobre vampiros nos próximos?

Sergio Mazul: Sempre haverão músicas baseadas no tema e inspiradas neste universo. Não apenas eu, mas outros membros como o Choma (guitarrista) e o Guto (tecladista), também nutrem paixão pelo assunto em todas as suas vertentes. A temática é bem explorada em nossas músicas “Legacy of Blood” e “End of Dusk – Legacy of Blood part II” no primeiro disco, entre outras do track-list; temos novas composições para o próximo álbum, a ser lançado em 2011 e algumas delas já abordam o tema também.

Acho que a vastidão emocional e todo o conteúdo obscuro que o vampirismo engloba são fontes inesgotáveis de inspiração. A vida eterna, o sono diurno e a intensa e insaciável busca por sangue perpetrada em suas sagas noturnas, a relação direta com outras criaturas das trevas e o fato do Vampiro contemplar as eras passando, amores morrendo, culturas sendo transformadas e seus poderes tornando-o literalmente um voyeur imortal nas sombras do nosso mundo, tornam tudo que o personagem significa, inspirador e fascinante.

7 – Quais são os filmes preferidos de vampiros da banda?

Sergio Mazul: “Drácula de Bram Stoker”, “Vampiros de John Carpenter”, “A Sombra do Vampiro”, a trilogia “Underworld (Anjos da Noite)”, a trilogia “Blade”, “Garotos Perdidos”, “30 Dias de Noite” (a propósito, tenho toda a série em Graphic Novel), “A Hora do Espanto 1 e 2”, “Um Drink no Inferno” em todos os seus volumes, os baseados na obra de Anne Ricce – “Entrevista com o Vampiro” e “A Rainha dos Condenados” e vários clássicos, como os de Bela Lugosi, Christopher Lee e alguns da Hammer Films, como a saga de Carmilla, a vampira de Karnstein. Existem 2 mais recentes que achei ótimos também, que são “Daybreakers” (com o excelente ator Sam Neil, que viveu o paleontólogo Allan Grant em “Jurassic Park”) e o sueco com versão americana recém-lançada “Let the Right One In (Deixe ela Entrar)”, que abordam o tema de maneiras geniais e muito diferenciadas.

8 – A banda está aberta a propostas de escritores para fazerem histórias de terror e vampiros para um videoclip para a banda? haverá algum concurso para isso?

Sergio Mazul: Sem sombra de dúvidas! Um amigo nosso que possui uma produtora de cinema e vídeo daqui, inclusive nos propôs que fôssemos atores de um curta que ele deseja produzir, com esse tema. Aceitamos prontamente qualquer proposta interessante que venha a somar com o nosso trabalho, especialmente de pessoas inspiradas que amam o que fazem, como nós.

Não pensamos na idéia de concurso, mas confesso que você está nos dando uma ótima idéia! Pode ser algo a ser concretizado, sem dúvidas.

9 – Como o pessoal pode entrar em contato para entrevistas e para informações para comprar o CD?

Sergio Mazul: Temos comunidades no Orkut, no Facebook e o e-mail semblant.contact@gmail.com que usamos como e-mail de trabalho da banda; também é muito fácil nos encontrar nas comunidades virtuais, o que facilita o contato direto com a banda.

Somos parte do cast da produtora Neural Machine, onde os interessados em shows, CDs e entrevistas podem enviar mensagens para pedro@neuralmachine.com ou Sergio@neuralmachine.com e ainda somos assessorados pela Brasil Music Press, onde os mesmos interessados podem enviar suas mensagens para press@brasilmusicpress.com.br (falar com a jornalista Heloisa Vidal).

Os CDs também estão disponíveis em nossos shows, no site de produtos ligados ao mundo do Rock e dos Videogames www.kingdragon.com.br e em algumas lojas especializadas ao redor do Brasil.

10 – Deixe uma mensagem para os leitores desta entrevista.

Sergio Mazul: Agradeço imensamente à sua atenção, Adriano, citando inclusive que somos admiradores do seu trabalho e agradeço também à cada um que nos esteja dando atenção, acompanhando a banda, apreciando nosso trabalho e procurando fazer parte do nosso universo.

Estamos todos juntos nesta jornada sombria que envolve tanto dentro e fora da subcultura em que nos inserimos e com certeza, esperamos cada vez mais atrair e formar alianças com mais admiradores da Noite e das Trevas.

Esperamos conhecer pessoalmente cada um de vocês, leitores, em nossas apresentações. Obrigado novamente, como você mesmo diz Adriano: “tenham uma Adorável Noite” e BEHOLD THE REAL SEMBLANT!
Abraços,


Sergio Mazul
+55 41 9941-5747
msn: sergiomazul@hotmail.com

:: Blood Rock Bar
www.bloodrockbar.com.br

::Neural Machine Productions
www.neuralmachine.com

:: SEMBLANT
www.myspace.com/semblant

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...